Procrastinadores, alegrem-se! Pesquisa mostra vantagens de procrastinar

349
procrastinadores, alegre-se

Ontem um meme surgiu no meu feed do Facebook. Era uma foto de Mozart com o seguinte texto sobreposto no topo: “Se alguma vez você se sentir mal sobre procrastinar, basta lembrar que Mozart escreveu a abertura de Don Giovanni na manhã em que estreou”. Quer dizer que Mozart faz parte do time dos procrastinadores?

É meio hilário, mas é verdade? De acordo com o site de notícias de música clássica CMUSE, a história real é bastante semelhante, e pode até ser mais engraçada.

Aparentemente, depois de uma noite de bebedeira, os amigos de Mozart lembraram-lhe que sua ópera estava estreando na manhã seguinte e ainda era uma abertura curta. “Por volta da meia-noite, Mozart foi ao seu quarto e compôs este trabalho em cerca de três horas naquela noite, mantido acordado por sua esposa, Constanze, contando-lhe histórias da lâmpada de Aladim, Cinderela e assim por diante”, relata CMUSE.

Mozart, pelo menos, claramente trabalhou bem sob pressão (e também sob influência de outros), mas ele era um gênio que começou a compor música aos cinco anos. Por isso, esta abordagem de última hora ainda é uma coisa que as pessoas normais devem evitar, certo? Na verdade, de acordo com um lendário guru da produtividade, Mozart agiu da maneira correta.

Procrastinadores, algumas coisas realmente devem ser deixadas para o último minuto…

David Allen, autor do clássico de produtividade Getting Things Done, ressaltou em seu mais recente boletim de notícias os benefícios de fazer algumas coisas em cima do prazo. Fazendo sua mala, por exemplo. Autoridade internacional na gerência de tempo, Allen espera até o último momento possível organizar seus pertences antes de sair para uma viagem.

Por quê?

“Se eu me desse mais tempo para arrumar, eu aceitaria, arrumando … Na verdade, não arrumando – decidindo o que arrumar … Devo levar um suéter casual? Dois pares de sapatos, ou um? Nessa viagem, e quão frio pode estar? … Etc.”, ele explica. “E se eu tiver o dobro do tempo para arrumar, eu não vou arrumar as coisas duas vezes melhor. Talvez três vezes melhor, mas o dobro de estresse que eu terei não vale a pena.”

… e algumas coisas realmente não deveriam.

Isso faz sentido total para as tarefas de rotina, mas esse mesmo princípio é válido para os mais criativos, como, digamos, compondo o prelúdio de uma ópera? Sobre isso, Allen não tem tanta certeza. Enquanto ele acha que esperar até o último minuto pode realmente poupar tempo e estresse em alguns trabalhos, ele insiste em que, para que seja esse o caso, geralmente duas condições têm de ser cumpridas.

A primeira é que você saiba exatamente quanto tempo a tarefa vai demorar, o que praticamente desqualifica grandes empreendimentos artísticos e outros projetos que exigem um certo momento para ser concluído. (A menos, é claro, você é um prodígio de Mozart, então faça o que quiser). Sim, a pressão de esperar até o último minuto às vezes pode levar a ideias brilhantes. Mas só às vezes. Você realmente quer arriscar isso?

Além disso, deve-se notar que uma tonelada de pesquisas sugerem que os momentos de ideias geniais quase sempre brotam de investigação profunda sobre o assunto e exigem tempo para marinar. Se você já experimentou o lendário “Eureka!” momento bem em cima da hora de entregar algo, é quase certamente porque você estava pensando sobre o problema muito antes.

Qual é o segundo requisito para deixar uma tarefa para o último minuto? Conscientemente decidindo fazê-la. Se você vai deixar alguma coisa por fazer, estragando o tempo que tem livre se estressando por causa disso, isso estraga qualquer benefício de, como Mozart, se juntar aos times de procrastinadores.

“Faça isso absolutamente bem com você mesmo como uma escolha consciente, então alguma parte de você em qualquer extremidade não estará sugando sua energia com o ‘sim, mas você sabe que realmente não deveria …'”, aconselha Allen.

 

Artigo originalmente publicado aqui.